sábado, 31 de dezembro de 2011

11.202 páginas

Como sempre, no final do ano gosto de fazer uma lista dos livros que li no semestre, como em julho eu não fiz, resolvi fazer do ano todo. Outubro e novembro foram meses complicados na faculdade e li pouquíssimo, mas todos os livros lidos estão divididos por meses.

JANEIRO
A cabeça de Steve Jobs - Leander Kahney
Nosso Lar – Francisco Cândido Xavier, espírito André Luiz
A Arte da Guerra – Sun Tzu
Faz parte do meu show – Robson Pinheiro, Ângelo Inácio
Estética da Fotografia – François Soulages

FEVEREIRO
A Última Música - Nicholas Sparks
Bilionários por acaso: A criação do Facebook – Ben Mezrich
O Segredo – Rhonda Byrne
Podecrer! - Marcelo O. Dantas
A Arte de virar a página - Adriana Falcão

MARÇO
Lendas e Segredos do Rock - Sérgio Pereira Couto
Illustration Now! Vol. 3 – Julius Wiedemann
Illustration Now! Vol. 2 – Julius Wiedemann
Os Sertões – Euclides da Cunha
O burro e a pele de leão – Roberto Belli
A galinha dos ovos de ouro – Roberto Belli
Cinderela – Cristina Marques
Branca de Neve –
A raposa e o galo – Roberto Belli

ABRIL
A Moreninha – Joaquim Manoel de Macedo
Questões de Arte e Comunicação – Cilene Maria Potrich, Hercílio Fraga de Quevedo (org)
As Belas Coisas, Que é do Céu Contê-las – Dinaw Mengestu
Senhora – José de Alencar
Soul Love Á noite o céu é perfeito! - Lynda Waterhouse
A vida na porta da geladeira – Alice Kuipers
Iracema – José de Alencar
O Ateneu - Raul Pompéia
Na Margem do Rio Piedra eu sentei e chorei – Paulo Coelho
Tentada – PC Cast, Kristin Cast

MAIO
Queimada – P.C Cast, Kristin Cast
Desejo de Pânico - Laura Reese
Propaganda no rádio – Clóvis Reis

JUNHO
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis
Pra Ser Sincero - Humberto Gessinger

JULHO
Inimigo Brutal - Jack Higgins
Não conte a ninguém – Halan Coben
Sandman: Despertar – Neil Gaiman

AGOSTO
Perfeitos - Scott Westerfeld
Gen: Pés descalços - Keiji Nakazawa
Gen Pés descalços: o dia seguinte - Keiji Nakazawa

SETEMBRO
Gen Pés descalços: O Recomeço - Keiji Nakazawa
Gen Pés descalços: A vida após a bomba Keiji Nakazawa

OUTUBRO
:~

NOVEMBRO
O Mundo de Vidro - Maurício Gomyde

DEZEMBRO
O menino do Pijama listrado - John Boyne
Faça como Steve Jobs - Carmine Gallo
1ª mostra talentos da comunicação – Bienal de São Paulo
Amor fora de hora - Katarina Mazetti
Alta Tensão - Harlan Coben
Talento Ilustração

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Resenha: Gen Pés Descalços



Livros: Gen Pés Descalços
Gen Pés Descalços: O Recomeço
Gen Pés Descalços: O Dia Seguinte
Gen Pés Descalços: A Vida Após a Bomba
Autor: Keiji Nakazawa
Ano: 1998

A série “Gen Pés Descalços” são quatro livros, mas com a história contada em forma de quadrinhos. No início, de 1973 a 1985, eram publicados em revistas e jornais, depois adaptados em dois filmes em forma de anime. Em 2007 foram adaptados para uma série de televisão e no Brasil a Editora Conrad publicou quatro volumes (Gen Pés Descalços, Gen Pés Descalços: O Recomeço, Gen Pés Descalços: O Dia Seguinte e Gen Pés Descalços: A Vida Após a Bomba).

A história acontece em Hiroshima e nos arredores da cidade, no ano de 1945, dias antes do ataque das bombas nucleares, onde Gen com seis anos de idade vivia com sua família. Depois que Hiroshima é destruída pela bomba, Gen e os sobreviventes são obrigados a lidar com a falta de comida e respeito, conseqüências da destruição.

Baseado em fatos vividos pelo próprio autor, Gen Pés Descalços é um excelente relato real do que realmente aconteceu naquele tempo.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Série infantil animada pela catarinense Belli Studio será exibida no canal Cartoon

O projeto de animação Carrapatos e Catapultas, criado pelo escritor Almir Correia, foi um dos vencedores do concurso nacional AnimaTV/2009 e recebeu R$ 950 mil para a produção de 12 episódios de 11 minutos. A Belli Studio, de Blumenau, foi a responsável pela animação da série, produzida em parceria com a Zoom Elefante, do Paraná, e a produtora de áudio Astrolábio. A série, que já foi exibida durante todo o ano na TV Cultura e na Rede Brasil, passará a ser exibida no canal a cabo Cartoon Network Latin America a partir de 2012.

O período de produção aconteceu de março de 2010 a fevereiro de 2011, com a animação de um episódio de 11 minutos por mês, com qualidade HD. Cerca de 11 profissionais estiveram envolvidos na animação, produção de cenários, colorização, lipsync e montagem.

De acordo com Aline Muxfeldt S. Belli, diretora de Marketing da Belli, uma série de animação necessita de, no mínimo, 26 episódios para ser vendida no mercado internacional. “Este é o número ideal para que a criança consiga entender o conceito da série e memorizar os personagens da história”, comenta. O projeto, que já recebeu incentivo para a produção da primeira parte, conta agora com o fundo de investimento para Produção de Audiovisual para Televisão (Prodav), que irá financiar os próximos 13 episódios, com previsão para serem concluídos até 2013.

SINOPSE

Foto: Divulgação

A série Carrapatos e Catapultas se dá em uma outra galáxia, no Planeta Vaca, onde os carrapatos bicos-de-pato gostam principalmente de sugar gororoba, sucos e objetos com canudinhos, ficar se “catapultando” por aí e explodir, virando fantasmas que sobem pro “Mundo dos Carrapatos Fantasmas” (o paraíso para eles).

Bum e Bod são dois grandes amigos adolescentes que não engordam feito a maioria. Eles estudam e trabalham como estagiários. Nesse “mundo reino” não há automóveis e nem muitos objetos comuns no mundo humano. Inexplicavelmente tais objetos surgem do nada, após terremotos, e geralmente são catapultados como sucata alienígena para os lixões da cidade. Bum recebe toda noite uma ligação telefônica de sua mãe que já explodiu e mora agora no Mundo dos Carrapatos Fantasmas.
Projeto Carrapatos e Catapultas foi aprovado pelo Prodav, que irá finaciar mais 13 episódios da série
ANIMATV

O AminaTV é o primeiro programa de fomento à produção e teledifusão de séries de animação brasileira. O programa tem como objetivo estimular desenvolvimento da indústria brasileira de animação a partir da sistematização de ações que visam a geração de projetos em diversos pontos do país. O AnimaTV conta com ações regional de capacitação, articulação de um circuito nacional, dinamização da produção entre estúdios e a inserção da animação brasileira no exterior.

Em 2009, o concurso recebeu pré-projetos vindos de 17 estados brasileiros. Dos 257 projetos inscritos, 17 assinaram um contrato de co-produção de um episódio-piloto recebendo R$ 110 mil para a produção. Após a exibição dos pilotos, dois projetos foram selecionados e receberam R$ 950 mil para a produção de mais 12 episódios. Os produtores e autores também participaram de oficinas com consultores nas áreas de narrativa, arte, produção e comercialização. Além da série Carrapatos e Catapultas, o projeto Tromba Trem foi o outro selecionado para a produção de 12 episódios.

Série de animação será transmitida no canal a cabo Cartoon Network Latin America no próximo ano.

SOBRE A BELLI STUDIO


Desde 1999, a Belli atua no mercado de animação e ilustração para coleções de livros infantis, empresas de software, parques temáticos, quadrinhos, campanhas internas e projetos têxteis.

No portfolio da Belli Studio estão ainda os 21 episódios da série Betinho Carrero, o primeiro lançado em outubro/2011 pelo Beto Carrero World em seu canal no Youtube, além de mais de 50 curtas para as áreas editorial, empresarial e publicidade.

A Belli Studio faz parte da Brazilian TV Producers e desde 2009 frequenta eventos internacionais de produção e venda de conteúdo. Atualmente está em fase de negociação com uma produtora do Canadá para produção da série Histórias de Amor. “Esta série é voltada para o público adolescente e famílias, e apresenta uma visão contextualizada de casais arquetípicos que permeiam o consciente coletivo, que possui uma fonte rica e diversa, indo da ficcção a realidade: Bíblia, literatura e história”, adianta Aline. Serão 13 episódios de 22 minutos para cada tema.

Fonte: Noticenter

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Transporte Público de Blumenau

Tentei postar no facebook, mas tinha muitos caracteres. Restou-me o blog.

Hoje dei graças a Deus por não depender sempre de ônibus. Gostaria de entender o porquê de a Seterb e o Consorcio Siga quererem aumentar ainda mais a passagem, visto que a cada dia os ônibus de Blumenau estão mais detonados. Fora que os corredores de ônibus fazem os motoristas andarem acima da velocidade permitida, colocando em risco os passageiros quando dão uma freada.

Por volta das 14h25min, peguei o ônibus conhecido como “10”, Garcia – Aterro (carro com o número 1110) na Beira Rio, e ele estava todo vomitado. Além de nojento, isto é uma tremenda falta de respeito com os cidadãos que dependem do transporte público para se locomover. Pelo preço que se paga pelas passagens de ônibus nesta cidade, o mínimo que eles têm de oferecer é qualidade e higiene.

Tenho pena das pessoas que dependem do nosso precário transporte público, principalmente mais de uma vez por dia e em horários de pico.

(Arrependo-me de não ter tirado uma foto)

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Fé de menos


"Recebi um email de um ouvinte dos EUA, o Boris Kortiak, com um comentário interessante:

“Sempre que visito o Brasil vejo uma terra com enormes oportunidades, mas quando falo com as pessoas ouço apenas sobre os enormes problemas. Algumas vezes falamos sobre a mesma coisa, mas vista sob perspectivas diferentes. Como é possível que duas pessoas, olhando para a mesma coisa, vejam de forma tão diferente? O que acontece com os brasileiros para que olhem apenas o negativo e achem que as coisas são imutáveis, enquanto um estadunidense ou inglês veja as mesmas coisas como obstáculos a serem vencidos? Por que a maioria só vê uma imagem sombria do Brasil? Talvez não seja o ritmo constante de negatividade da mídia que ajuda a desmoralizar a população, mas a falta de fé na existência de soluções.”

“Falta de fé na existência de soluções”... suspeito que essa falta de fé não é causa, é conseqüência. Vejamos.

Se examinarmos a história do Brasil nos últimos quarenta anos veremos a sucessão de frustrações que nos levaram a essa falta de fé. No final do regime militar milhares de pessoas vão às ruas pelo Diretas Já, que o Congresso não aprova. Algum tempo depois conseguimos, de forma indireta, eleger um presidente civil: Tancredo Neves. Que morre antes de tomar posse. Seu substituto, Sarney, chega com um plano redentor, o Cruzado. E leva o Brasil ao maior período recessivo da história. Vem as eleições diretas e elegemos um jovem, Fernando Collor de Mello. Sua primeira ação é confiscar o dinheiro de todo mundo. E temos o primeiro impeachment da história. O sucessor, Itamar Franco, começa o governo relançando o Fusca, mas termina abrindo caminho para o Plano Real que finalmente coloca o Brasil nos eixos. FHC faz um ótimo primeiro mandato, mas o segundo termina em meio a acusações de “privataria”, compra de votos, etc. Frustrante. Vem Lula, com seu discurso pela ética. E oito anos de lambança. Nesses 40 anos a educação continuou em deterioração, a saúde é um escândalo, a violência é crescente, o trânsito torna-se caótico, a corrupção torna-se endêmica, os impostos crescem sem parar, a infraestrutura é uma piada, as enchentes de janeiro continuam matando, a seca do Nordeste idem, a Justiça não funciona... Ufa!

Mas é claro que também experimentamos melhorias. Somos um país em franco crescimento, temos o povo mais otimista do planeta, melhoramos a distribuição de renda, tirando milhões da miséria e temos ilhas de excelência. Mas os problemas básicos continuam sem solução, passando de geração para geração.

Não é natural que – após 40 anos - a conseqüência seja a tal “falta de fé na existência das soluções”?
É. Mas tenho uma visão diferente. Acredito que sabemos dos problemas e conhecemos as soluções. O que não temos é fé em nossa capacidade de implementar as soluções. Depois de 40 anos prometendo e não cumprindo, somos uma sociedade desconfiada, onde cada vez menos gente acredita nas instituições, nas leis ou nos outros. Daí a visão sombria e negativa.

Numa sociedade baseada na desconfiança, todo mundo é culpado.

Inclusive você!"

(Luciano Pires)

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Felicidade Realista

A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.

Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.

Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas.

E quanto ao amor? Ah, o amor.. não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo.
Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão.

Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.

Ter um parceiro constante, pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.

Dinheiro é uma benção.

Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando.
Apenas o suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado.

E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno.

Olhe para o relógio: hora de acordar.

É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade.

Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo.

Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça de que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração.

Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade...

(Mário Quintana)

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Nova D5100

A Nikon introduz uma nova D-SLR à sua gama, a D5100, que inclui funcionalidades que tornam a fotografia e a filmagem em Full HD mais interessantes do que nunca. A D5100 proporcionará uma nova perspectiva criativa graças ao respectivo ecrã multiangular melhorado, modo de efeitos especiais e filmagem Full HD (1080p).

Jordi Brinkman, Gestor de produtos da Nikon Europa, afirma: “A D5100 é uma câmara excelente que permite exprimir o seu lado artístico através de imagens e filmes impressionantes. Pode disparar com efeitos criativos e ângulos únicos, tudo ao nível da qualidade de imagem superior observada na D7000!”


Qualidade de imagem superior


A D5100 permite obter uma qualidade de imagem superior, mesmo em condições de iluminação reduzida, com funcionalidades herdadas da D7000. O sensor CMOS em formato DX de 16,2 megapixels proporciona cores ricas e detalhes precisos para fotografias e filmes, enquanto o poderoso motor de processamento de imagem, EXPEED 2, maximiza o desempenho do sensor para proporcionar uma qualidade excepcional. Além disto, a D5100 tem um intervalo de sensibilidade expandido para ajudar ainda mais a capturar imagens brilhantes em condições de iluminação difíceis – a sensibilidade ISO varia de 100 a 6400 e pode ser elevada até 25600 ISO a Hi 2, para imagens de baixo ruído que não perdem os detalhes. Para além disso, há uma grande variedade de objectivas NIKKOR que contribuem para a qualidade de imagem impressionante da D5100.

A nova função de HDR (Alta gama dinâmica) e o D-Lighting activo da Nikon preservam os detalhes quando há contrastes extremos na iluminação. A função de HDR tira duas fotografias com variação da exposição com um único disparo, que se combinam para produzir uma única imagem com uma distância dinâmica mais alargada.

Para saber mais...(fonte)

domingo, 10 de abril de 2011

Faculdade

Estou fazendo um trabalho na disciplina de Estratégias de Mídia, e a proposta é fazer um blog que cada equipe tem que divulgar.

O meu é sobre livros, o PáginaporPágina. Quem puder acessar, ficarei muito grata!

segunda-feira, 28 de março de 2011

Resenha: Illustration Now! Vol. 2

Illustration Now! Vol. 2 é um maravilhoso livro de ilustração. 
Apresenta em torno de 100 artistas com jeitos e estilos diferentes. Cada obra ali ilustrada tem sua particularidade e cada artista seu ponto de vista. Com artistas bem diferenciados do Illustration Now! Vol. 3.


Um ótimo livro de estante para momentos de “branco”, que você precisa criar alguma coisa e a ideia simplesmente não vem. Só dar uma folhada que a mente limpa. Vendo tanta coisa diferente, facilita muito!

Cada artista tem um pequeno trecho falando do seu estilo, sobre sua vida ou gostos. Eles foram livres para escrever o que achassem necessário.

Eu separei uns artistas que me chamaram atenção. Uns por causa da sua observação e outros por causa do seu trabalho:

Chrissie Abbott – “Não estou tentando mudar o mundo. Só quero fazer coisas bonitas para o olhar”.
Lisel Ashlock faz a arte surrealista mais real, perfeita e cheia de detalhes que eu já vi.
Paul Davis se destaca com as cores que utiliza, além de ter um traço de perfeição semelhante ao de Lisel.
Dragon deixa-se influenciar principalmente pela música e pela cultura, e é possível notar isso no seu trabalho.
Catalina Estrada é uma colombiana que retrata o folclore latino-americano com cores vivas, e principalmente com flores e animais. Já fez campanhas para Coca-Cola e suas obras já viraram estampa de roupa.
Audrey Gessat, sua ilustração parece 3D e feita de massinha de modelar.
Jasper Goodall foi o responsável pela arte da capa do livro.
Jens Harder diz: A natureza é a melhor designer, a vida é a melhor contadora de histórias. Por isso não há mais nada a fazer, a não ser registrar tudo e mantê-lo vivo no papel.
Tara Hardy acredita que a ilustração pode tornar o mundo melhor.

Esses são alguns dos artistas que achei interessante mostrar, não me alongarei mais, pois acho que é um livro que vale a pena ser lido e apreciado.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Lançamento nacional


As animações 100% brasileiras Carrapatos e Catapultas (feitas no BelliStudio, em Blumenau) e Tromba Trem, estreiam domingo dia 17 de abril das 12:30 a 1:00 da tarde na Tv Brasil  em rede nacional.
A estreia na Tv Cultura será sábado dia 23 de abril das 11:30 ao meio-dia.
Sempre serão dois episódios. Primeiro o Tromba Trem (6-8) e em seguida Carrapatos e Catapultas (8-12).

quarta-feira, 2 de março de 2011

Resenha: Podecrer!



Amizade, amadurecimento, escolhas, decepções, política, perdas...

Um livro que em cima da amizade que engloba vários outros temas que enfrentamos diariamente.

Marcelo Dantas narra em primeira pessoa, vivendo João, que tenta acabar com a ditadura militar e vive várias aventuras com seus amigos, iniciando quando ele ainda estava na escola primária e seguindo até a faculdade.

Com o passar dos anos, João se vê cada vez mais distante de sua família e com amigos se distanciando, além de outros que são obrigados a deixar o país.

Uma história cheia de aventura que inspirou o filme Podecrer!

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Resenha: Bilionários Por Acaso: A Criação do Facebook

 

Narrativa simples, leve e envolvente. Escrito por Ben Mezrich que não vangloria ninguém, como ele mesmo diz nos agradecimentos "Sou grande fã de todos os personagens deste livro".

Até a página 40 conta apenas como Eduardo e Mark se conheceram e como entraram em Harvard. É um pouco entediante e chato até aqui, mas depois percebe-se que é interessante saber como os dois se conheceram.

Mark Zuckerberg tem todas as características de uma pessoa que você não deve chegar perto. Mentiu, traiu e ignorou seu melhor amigo, Eduardo Saverin, depois que o Facebook começou a crescer. Além, de claro, ter roubado a ideia dos gêmeos Winklevoss e seus amigos.

O Facebook pode ser sido uma revolução das Redes Sociais no mundo, mas não da para descartar que infelizmente seu criador passou tudo e todos para trás, ficando com todo o prestígio para si. Como descrito na sinopse do livro "(...) mas também sobre como uma empresa que foi criada para juntar pessoas separou dois amigos.".

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Resenha: A Cabeça de Steve Jobs


Acho que o Leander conseguiu descrever toda a trajetória de Jobs na Apple. Algumas vezes de forma superficial, mas sem deixar escapar detalhes.

Sabendo que foi a partir da ideia de um amigo que ele resolveu escrever o livro, sei que ele não é um "puxa saco", sendo assim, as críticas e elogios foram feitas de forma sincera, sem querer vangloria-lo.

Desde que conheci um Mac, apaixonei-me pela Apple. Ela é sem dúvida a melhor marca de computadores. Saber como foi a trajetória da empresa foi bem legal. E mesmo que o Jobs tenha um temperamento difícil (como todos dizem e é citado muito no livro), ele é um gênio!

Achei fantástico um discurso que ele fez para os formando de Standford e vou escrever um pedaço:
"O tempo de vocês é limitado, então não o desperdicem vivendo a vida de outras pessoas. Não se deixem imobilizar pelos dogmas - o que equivale a viver com os resultados daquilo que os outros pensam. Não deixem que o ruído das opiniões dos outros afogue sua própria voz interior. E, o mais importante, tenham a coragem necessária para seguir seu coração e sua intuição. Eles de alguma forma já sabem o que vocês de fato querem se tornar. Todo o resto é secundário."

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Amor contínuo

Ame seus pais e seus irmãos.
Eles são a base de sua vida, seu chão e quem
com certeza vai sempre te ajudar.

Ame suas tias e tios, porque foram eles que
por muitas vezes zelaram seu sono,
quando você era apenas uma criança mimada.
Eu sei, não se lembra!
Mas você só vai entender o amor dos tios,
depois que sua primeira sobrinha nascer.
Então, não perca tempo.
Ame seus primos e amigos por mais que eles
sejam completamente diferentes de ti.
Aceite-os.
Aceite-se.
Todo mundo tem defeitos.
E por falar neles...
Ame sua barriga, suas celulites e as tais estrias.
Elas indicam que sua vida está repleta de
prazeres gastronômicos.
Ame também seus quilos a mais,
porque se eles não existissem,
você jamais poderia comemorar a vitória de um dia perdê-los.
Ame seu cabelo do jeitinho que ele é.
E o seu armário...
Mude.Completamente.
Experimente coisas novas, outras cores.
Calças largas e calcinhas de algodão.
E não troque seu velho pijama por nada nesse mundo.
Ele é o seu companheiro de sonhos.
E é com aquele tênis feio e fora de moda,
com o formato exato dos seus pés,
que eu acho que você deve sair para
caminhar todas as manhãs.
Leve os cachorros.
Pra pensar.
Pra amar as coisas que estão do lado de fora.
Tarefa difícil.
Respire.
No fundo, procure outra pessoa para amar um tanto,
que de até vontade de se casar com ela.
Aliás, ame assim quantas pessoas quiser no decorrer da vida.
Namore.
Não importa o sexo, nem a idade.
E não se preocupe com o tempo que a paixão vai durar.
Se gostem.
Se assumam.
Se curtam.
Se abracem.
Beijos.
Viagens.
E saiam para dançar sempre.
Tomem café da manhã juntos.
Fiquem o domingo inteiro na cama,
enquanto o mundo despenca numa chuva fria e fina.
E quando você achar que já amou demais nessa vida...
Tenha filhos.
Se não conseguir, adote.
Dizem que não há amor maior.
E eles vão crescer,
amando você e muitas outras coisas e pessoas.
Com sorte, você terá netos.
E dos seus netos, receberá mais tarde com muito orgulho,
o amor dos bisnetos...
Pois, o nosso amor é contínuo.
Para sempre.
E infinito.

(Robert Frost)

sábado, 8 de janeiro de 2011

Resenha: Feios


Scott quis descrever a ideia de beleza que a sociedade tem hoje e a forma que as pessoas veem ela, em uma história com lugares surreais.

É um livro que nos faz pensar no padrão de beleza que a mídia impõe. Mesmo não sendo uma história real, não é preciso muito para perceber que tem muito haver, não só com o nosso "mundo", mas também com o comportamento.

Acho que o autor conseguiu passar uma critica de forma divertida e camuflada.

Duas frases do livro:

"Não temos de nos parecer com todo mundo e agir como todo mundo. Temos uma escolha."

"Era quase impossível acreditar que as pessoas vivessem daquele jeito, queimando árvores para desocupar a terra, consumindo petróleo para gerar calor e energia, rasgando a atmosfera com suas armas"

Já comprei "Perfeitos".